sábado, 28 de agosto de 2010

Seleccionadas Maria Moreno - Carolina Rojas Selected LATIN VIEWS 2010

 
----- Original Message -----
Sent: Saturday, August 14, 2010 9:00 PM
Subject: Seleccionadas Maria Moreno - Carolina Rojas Selected LATIN VIEWS 2010

 
 
 

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Cero Galeria exhibition



---------- Forwarded message ----------
From: Andrés Matías Pinilla <andresmatiaspinilla@gmail.com>
Date: 2010/8/24
Subject: Cero Galeria exhibition
To: telasgaudi@gmail.com


Hi
We dont speak portuguese, but here goes the information about the exhibition.
Next time in english or spanish
Good Luck!

The Artists


convite exposição sérgio ramos



---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Sérgio Ramos <sramos@atelierdoarquiteto.com.br>
Data: 25 de agosto de 2010 10:38
Assunto: convite exposição sérgio ramos
Para: "Telas Gaudí - ind. com. Pintura Artística" <telasgaudi@gmail.com>


 


Dia 31/08 abre a exposição Mind The Gap na Ímã Foto Galeria



---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Ímã Foto Galeria <ima@imafotogaleria.com.br>
Data: 26 de agosto de 2010 14:04
Assunto: Dia 31/08 abre a exposição Mind The Gap na Ímã Foto Galeria
Para: telasgaudi@gmail.com


Logo a baixo o link do vídeo promocional da exposição Mind the Gap.
http://www.youtube.com/watch?v=xt-nb4N949Y

Atenciosamente,
Daniela Pinheiro
Ímã Foto Galeria
Rua Fradique Coutinho, 1239
Vila Madalena
Cep: 05416-011 - São Paulo - SP
Fones: (11) 3816-1290
ou (11) 2594-3687
ou nextel (11) 7810-5793
id: 55*7*61447
ima@imafotogaleira.com.br


quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Lua cheia de agosto


----- Original Message -----
Sent: Tuesday, August 24, 2010 8:43 AM

 
Tramas Diárias       >>>    exposição     de     Lilian Maus


 Abertura dia 25 de agosto, quarta, às 19 horas

Lilian Maus apresenta desenhos que migram de cadernos autorais,
contendo textos-desenhos, para desenhos aquarelados de grande formato
e também para a arquitetura do espaço expositivo. Em seu processo
de criação, a artista apropria-se de materiais
sintéticos, como tecidos
e plástico, e também de materiais orgânicos, como fios de cabelo
e fungos, para construir desenhos que se alastram do plano bi ao
tridimensional.
Para este projeto, concebido especialmente para o
Museu do Trabalho, Lilian Maus recria um ambiente envolvente
de tramas que se alastram,
por meio do uso de palavras e de imagens,
e aderem a superfícies diversas.
Uma espécie de textura porosa,
que lança a própria pele como metáfora do desenho.


Em cartaz até 17 de outubro de 2010

Apoio: BD Divulgação / Subterrânea / Vinhos Salton

www.flickr.com/lilianmaus


_________________________________________________________
As atrações do 17° Porto Alegre Em Cena no Teatro do Museu:




 
 
A Inquietude
 
Rio de Janeiro
 
Dias 17, 18 e 19 de setembro, às 22 horas
 
O espetáculo traz a segunda parte do texto "Discurso aos Animais" e apresenta um personagem excepcional: João Mancada, que percorre vários lugares e tempos à procura de algo que não existe. O texto, de Valère Novarina, constrói vazios, espaços e interrogações, tecido por uma dramaturgia quase sem história a ser contada, pulsada por uma melancolia e uma crueza ferina. Ana Kfouri é mestre em Teatro pela UNIRIO, com a pesquisa "Espaços de Comunicação - estudo das relações entre dramaturgia, espacialidade e recepção teatral em algumas experiências da cena brasileira contemporânea".
 
De: Valère Novarina / Tradução e Dramaturgia: Angela Leite Lopes / Direção: Thierry Trémouroux Assistente de direção: André Marinho / Interpretação: Ana Kfouri / Figurino e Cenário: Desirée Bastos / Edição do vídeo: Renato Livera / Iluminação: Renato Machado / Assessoria vocal: Maíra Martins / Música original: Ana Kfouri / Direção de produção: Marcelo Cabanas e Juliana Rubim / Assistente de produção: Camila Martins / Produção: Bateia Cultura / Realização: Cia Teatral do Movimento / Duração: 1h / Classificação: 14 anos
 
 
Reglas, usos y costumbres en la sociedad moderna
 
Espanha
 
Dias 20, 21 e 22 de setembro, às 22 horas
 
Jean-Luc Lagarce (1957-1995) é o dramaturgo contemporâneo mais representado na França e um dos que tem maior projeção mundial. Nesse espetáculo, há uma visão irônica do "Manual de Boas Maneiras", da Baronesa Blanche Staffe, que não diz apenas sobre regras de comportamentos em cerimoniais, mas sobre toda a conduta social. Infere, assim, sobre a vida ocidental, a contemporaneidade, as contradições, as normas e intransigências. A sociedade morta vê a vida viva e o público tem como divertimento o sorriso sobre suas próprias ações.
 
De: Jean Luc Lagarce / Tradução: Fernando Gomez Grandes / Adaptação: Ernesto Calvo / Direção: Ernesto Calvo / Elenco: Gerardo Begérez / Figurino: Mario Perez Tapanes / Iluminação: Javier Garcia / Duração: 1h / Classificação: 16 anos
 
 
Kabul
 
Rio de Janeiro
 
Dias 24, 25 e 26 de setembro, às 22 horas
 
O espetáculo traz quatro faces da guerra, quatro personagens em busca de dignidade e de humanidade, essas confiscadas por décadas de violência. Quatro retratos de um Afeganistão visto de dentro das casas, por trás das cortinas e dos véus. É uma criação que partiu de duas fontes: um livro, "As Andorinhas de Cabul", do escritor argelino Yasmina Khadra; e uma imagem real: uma mulher, coberta com uma burca azul, sendo executada publicamente no estádio de Cabul, em novembro de 1999. Esta imagem, captada por um telefone celular, correu o mundo e revelou uma realidade tão cruel quanto distante. Com "Kabul", o Amok Teatro propõe um mergulho num Afeganistão traumatizado por vinte anos de guerras e entregue à tirania dos fundamentalistas.
 
Texto e Direção: Ana Teixeira e Stephane Brodt / Elenco: Stephane Brodt, Fabianna de Mello e Souza, Kely Brito e Marcus Pina / Figurino: Stephane Brodt / Cenário: Ana Teixeira / Iluminação: Renato Machado Música: Beto Lemos / Produção: Erick Ferraz / Duração: 1h20min / Classificação: 16 anos

 


A programação completa, maiores informações e venda de ingressos em:

 

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/poaemcena/

 

 
 
____________________________________________________
Museu do Trabalho apoia:
 
 
 
 
Abertura dia 26 de agosto, quinta, às 19 horas
 
Em cartaz até 26 de setembro de 2010
 
Galeria Iberê Camargo
Usina do Gasômetro
Av. João Goulart, 551, Porto Alegre
 
 
 
______________________________________________________
Museu do Trabalho indica:
 
Lançamento do segundo volume do livro de desenhos da 
 
Coleção Gafanhoto

com
 
Rodrigo Pecci

dia 27 de agosto, sexta, às 19 horas

Agência de Leilões e Espaço Cultural Porto Alegre
Câncio Gomes, 661, Floresta, Porto Alegre

 

_______________________________________
Acompanhe o Museu do Trabalho em:
 
 
 
 
 
Museu do Trabalho
Rua da Praia, 230. Porto Alegre. RS. Brasil.
Terça a sábado das 13h30 às 18h30
Domingos e feriados das 14h00 às 18h30
(51) 3227 5196
 
 

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O Olhar de Lucia Guanaes e Marc Dumas | Convite


 

CONVITE

Salvador Foto Clube, em parceria com a Galeria do Olhar, promove mensalmente o evento intitulado O Olhar de..., um descontraído bate-papo em que fotógrafos contemporâneos expõem tópicos de sua obra em meio a abordagens e contribuições da platéia.

No mês de agosto haverá uma inovação: dois convidados apresentarão suas obras, trata-se do casal de designers e fotógrafos Lúcia Guanaes e Marc Dumas.

Lúcia, paulista radicada na França desde 1986, realiza exposições fotográficas que focalizam os mais diversos aspectos da cultura brasileira, a exemplo das mostras Brasil-Brèsil, 1986; Au Coeur de Bahia, 2000; Brasil Popular, 2002; Fronteiras do Mar, 2005.

Marc, também graduado em designer gráfico, além de dedicar-se a fotografia, desenvolve atividades em artes plásticas. Em linguagem fotográfica, Marc tem trabalhos que revelam um olhar inusitado sobre a cidade de Salvador, a exemplo das séries Cargueiros I e II e Porto da Barra, que resultou na publicação de um livro composto por imagens em cor, lançado pela Editora Tout Pour Plaire em 2009.

Na noite de 25 de agosto, Lúcia e Marc, falam sobre os respectivos processos criativos, as perspectivas da fotografia contemporânea e o mercado internacional de fotografia. 

Após a palestra, os participantes serão contemplados com uma fotografia assinada de cada artista.

Entrada franca mediante inscrição prévia através do e-mail contato@galeriadoolhar.com.br 

Mais informações sobre os convidados:

Site Lucia Guanaes: http://www.luciaguanaes.com/ 

Site Marc: http://www.mixmarc.com/ 

Site editora Marc: http://www.toutpourplaire.com/editions/

O que: Bate-papo com fotógrafos - O Olhar de Lucia Guanaes e Marc Dumas

Onde: Galeria do Olhar - Trapiche Adelaide, Salvador

Data/Hora: 25/08/2010 - 19:30h

Inscrições: contato@galeriadoolhar.com.br

www.salvadorfotoclube.com.br 

www.galeriadoolhar.com.br 

Patrícia Carmo
T: 71 9977 2619
http://flickr.com/patriciacarmo/sets/



DESENHO e HISTÓRIA DA ARTE NO MARGS

 
----- Original Message -----
From: ZUPO
To: ZUPO
Sent: Tuesday, August 24, 2010 3:45 PM
Subject: DESENHO e HISTÓRIA DA ARTE NO MARGS

Desenho e História da Arte no MARGS

Museu de arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli

 

·         de 08 de Setembro de 2010 a 26 de Novembro de 2010

O MARGS realiza, a partir de setembro, dois novos cursos: de desenho e história da arte. Do Olhar ao Criar, com o artista Zupo, está dividido em três módulos práticos: a observação, a imaginação e a criação. Durante os módulos serão abordados fundamentos do desenho, ponto, linha, perspectiva, luz, desenho cego, desenho táctil, desenho sonoro, entre outras técnicas.

 

O aluno poderá fazer a inscrição casada ao curso O Desenho como História, com Isabel de Castro, que terá desconto no valor da mensalidade. O curso de história da arte também está dividido em três módulos. O desenho através da história será estudado a partir da pré-história ao séc. XIX, pré-fotografia, a imitação da natureza e da aparência das coisas, da linha, do contorno, da virada do séc. XIX para o XX, com o início da fotografia, a abstração, o gesto, os "ismos", a liberdade e finalizando com os anos 60 aos dias atuais.

 

Do Olhar ao Criar. Aulas de desenho com Zupo. A partir de 8 de setembro, às quartas-feiras, das 14h às 17h.

 

O Desenho como História. Aulas de história da arte com Isabel de Castro. A partir de 10 de setembro, às sextas-feiras, das 15h às 17h.

 

Informações pelo fone 51 3212-2281 ou e-mail extensão@margs.rs.gov.br, das 13h às 17h.

 

 

 

 

 

 

www.zupo.com.br

#51 - 9999 4629

www.Farol872.com.br

Rua Garibaldi, 872

 

FAROL--5K

 

BIENAL B - inscrições PRORROGADAS

 
----- Original Message -----
From: ZUPO
To: ZUPO
Sent: Saturday, July 24, 2010 12:40 PM
Subject: BIENAL B - inscrições PRORROGADAS

 

 

Colegas Artistas!

 

As inscrições para a BIENAL B foram prorrogadas para 31/agosto.

 

Motivo: Fechamos parceria com a RBS / TVCom.

Em outras palavras, teremos vídeo, na TV, spot de rádio, bandeiras de sinalização, mapa/encarte na ZH, documentação fotográfica... o que nunca tivemos!

 

É a hora de todos nós colocarmos o bloco na rua!

 

Vamo que vamo, nosso evento está crescendo e ganhando a nossa cara!

 

MONTE SEU GRUPO!

Abraços a todos,

(Qualquer dúvida, estou à disposição.)

 

Isabel de Castro

icastro@espm.br

 

Coordenadora e Curadora Geral da Bienal B
www.bienalb.org

www.isabeldecastro.pro.br
FAROL: Observatório de Arte
www.farol872.com.br
(51)3239.9921 ou (51)9996.9900





EXPOSIÇÃO EDGARD DE SOUZA NA GALERIA ARTUR FIDALGO

 
----- Original Message -----
Sent: Tuesday, August 24, 2010 1:54 PM
Subject: EXPOSIÇÃO EDGARD DE SOUZA NA GALERIA ARTUR FIDALGO

Prezado Gaudi,

A Galeria Artur Fidalgo, tem o prazer de convidá-lo para o vernissage do artista Edgard de Souza.

Contamos com a sua presença na inauguração e ajuda na divulgação.


Um abraço, e obrigada.
Isis Cruz



  Edgard de Souza apresenta na Galeria Artur Fidalgo trabalhos recentes que exploram a corporeidade, como é constante em sua obra. Dessa vez, porém, as formas não remetem diretamente ao corpo humano, mas ao mobiliário, que, por sua vez, ganha um movimento animal e disfuncional. As mesas são elegantes quadrúpedes anímicos que por vezes copulam na galeria. A exposição apresenta também a série "Manchas falsas": trabalhos bidimensionais que inventam padronagens artificiais em pele de vaca. Móveis e superfícies criam um mundo de erotismo meio animal, meio design. 
  A série dos móveis resgata um tema do início da carreira do artista, no final da década de 1980. "As mesas eram então mais zoomórficas", compara ele, "agora se tornaram mais simples". A parte animal parece ter passado para a série que simula pelagens de vacas transgênicas ou geneticamente modificadas. 
  Esse imaginário que passa pela pele e pelo corpo, cheio de erotismo, tem outro ponto seminal no design. As esculturas do artista podem remeter tanto a troncos e flancos como a objetos e móveis. As duas séries apresentadas nessa exposição realizam esse encontro de modo sedutor e intrigante. Na série das mesas, o mobiliário torna-se, literalmente, móvel; em "Manchas falsas", o nu de outras obras torna-se, literalmente, epiderme, ou melhor, pelagem, com manchas acentuadamente gráficas. 
  Edgard de Souza não faz uma exposição individual no Rio de Janeiro desde 1991. Entre as exposições individuais do artista estão: Galeria Luisa Strina, São Paulo (2010, 2004, 2002 e 2000), L A Louver Gallery, Los Angeles, EUA (2005 e 2003), Pinacoteca do Estado de São Paulo (2004). Galeria OMR, Ciudad de Mexico (2002), Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte (2001), Jack Shainman Gallery, New York (2000), Project Room, ARCO/99, Madrid (1999). Seus trabalhos pertencem, entre outras, às coleções do Museu Inhotim, MAM – SP, Gilberto Chateaubriand – MAM – Rio e Pinacoteca do Estado de São Paulo. O artista vive e trabalha em São Paulo.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Release expo na Galeria SOSO/ Kiluanji e Segunda Ponte

 

IDENTIDADE E DIVERSIDADE NA ARTE CONTEMPORÂNEA DA BAHIA E ANGOLA

Individual do angolano Kiluanji Kia Henda, selecionado para a 29ª Bienal de SP, é aberta junto com coletiva de importantes artistas contemporâneos da Bahia, como Marepe e Caetano Dias

 

KILUANJI KIA HENDA | galeria SOSO arte contemporânea africana

SEGUNDA PONTE | espaço SOSO+

[com Adriana Araújo, Caetano Dias, Glauber Rocha, Ieda Oliveira, Maxim Malhado, Marepe, Sarah Aleluia e Virgínia de Medeiros]

 

 

abertura | dia 19 de agosto 2010 [quinta] |18h >> 22h

 

 

 

A força e a criatividade da arte contemporânea produzida em Angola e na Bahia são pela segunda vez apresentadas juntas em São Paulo. A iniciativa busca atualizar o imaginário nacional sobre estas duas produções, rompendo com estereótipos e apresentando a diversidade presente nos trabalhos de seus artistas. No próximo dia 19 de agosto (quinta-feira), a partir das 18h, o angolano Kiluanji Kia Henda abre sua primeira exposição individual na galeria SOSO arte contemporânea africana. Considerado um dos fotógrafos africanos mais importantes de sua geração, Kiluanji é um dos três artistas representantes de Angola na 29ª Bienal de São Paulo. Ele expõe na galeria ao mesmo tempo em que, no espaço SOSO+, artistas da Bahia participam da coletiva Segunda Ponte. Trabalhos de Adriana Araújo, Caetano Dias, Glauber Rocha, Ieda Oliveira, Maxim Malhado, Marepe, Sarah Aleluia e Virgínia de Medeiros reforçam e valorizam uma identidade que é genuinamente baiana, justamente porque mestiça, miscigenada, resultante da mistura entre as culturas indígenas e européia, mas sobretudo africana.

 

A exposição inédita de Kiluanji é a segunda de uma série de individuais que a SOSO vai montar com os três artistas angolanos que participam da Bienal de São Paulo. Antes, em julho, foi a vez de Yonamine e, em setembro, será o momento da exposição de Nástio Mosquito. Já a Segunda Ponte dá continuidade ao projeto 3Pontes_SP, que através da parceria entre a SOSO arte contemporânea africana e a Fundação Sindika Dokolo vai apresentar na capital paulista uma mostra dos trabalhos dos artistas baianos que participarão da II Trienal de Luanda, realizada pela Fundação Sindika entre setembro e dezembro deste ano.

 

A inauguração das mostras de Kiluanji Kia Henda e da Segunda Ponte é aberta ao público e a visitação das duas exposições acontece até o dia 18 de setembro, de segunda a sexta, das 11 às 19h, e aos sábados das 11 às 17h na galeria SOSO e no espaço SOSO+, respectivamente.

 

 

KILUANJI KIA HENDA

Kiluanji Kia Henda nasceu em 1979 e pertence à nova geração de artistas angolanos, que já possuem uma representativa carreira internacional. Nos últimos anos, ele participou de importantes mostras como a Bienal de Veneza e a Trienal de Luanda (ambas em 2007), a Trienal de Guangzhou (2008) e a Bienal de Bordeaux (2009). Também realizou residências artísticas em países como África do Sul, Itália, EUA, Alemanha, Quénia e também aqui no Brasil.

 

Para a exposição na galeria SOSO (lê-se Sôsso), o cartão de visita fica por conta do tríptico em grande formato "Un Recuerdo para Ti", apresentado pela primeira vez na Trienal de Guangzhou e que, em junho deste ano, teve uma versão exposta na mostra "Tudo o que é sólido dissolve-se no ar: o social na Coleção Berardo" em Lisboa.  Nesta obra, a dualidade se torna evidente, traz imagens de uma memória inventada, referências históricas que nos remetem ao período colonial.  Segundo a crítica de arte portuguesa Marta Mestre: "(...)uma evocação, espécie de momento da ida de um angolano à Rússia. "

 

A exposição conta ainda com o tríptico "Numbers" e dois dípticos da série mais recente do artista, intitulada "6 Portraits About Apocalipse". Nesta produção, fica evidente o instigante contraponto que Kiluanji propõe entre uma visão futurista, presente em sua narrativa, e o que ainda é tradição. Uma visão onde tecnologia, informação e evolução industrial surgem como um fenômeno dos tempos modernos, e onde o tradicional, por si só, vai deixando de ser um traço exótico na sociedade africana.

 

O confronto entre o conhecimento histórico e o estado atual da sociedade angolana permeia toda a obra de Kiluanji. Nascido e crescido numa cidade dividida por uma guerra não declarada e de formação autoditada, ele iniciou seu trabalho com fotografia nos anos 90, como assistente do fotógrafo sul africano John Liebenberg, conhecido por retratar os conflitos raciais d urante o regime de Apartheid da África do Sul. Através da fotografia, Kiluanji registra sua cidade natal, Luanda, os conflitos em Angola e os resquícios da Guerra Fria e Guerra Civil, impasses da atualidade numa complexa diversidade de perspectivas.

 

Kiluanji busca levar os espectadores a refletir sobre a contemporaneidade e seu reflexo nas sociedades, como as alterações dos hábitos e costumes que ocorrem a todo instante, as novas trocas comerciais, ou ainda a implantação de novos elementos da globalização na paisagem. Num estilo experimental, com ironia apurada, conjuga a linguagem da foto-reportagem com a da fotografia conceitual. Nos últimos anos, o artista vem também explorando a música e o teatro.

 

 

SEGUNDA PONTE

A Segunda Ponte é parte de um projeto maior, o 3PONTES, que integra a II Trienal de Luanda e, a convite da Fundação Sindika Dokolo, tem curadoria de Daniel Rangel, diretor de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia. Ao todo, o projeto levará o trabalho de 20 artistas contemporâneos baianos a Luanda, fortalecendo um processo de trocas e intercâmbio cultural entre Angola e Bahia. Em São Paulo, a Fundação Sindika firmou parceria com a SOSO arte contemporânea africana para apresentar uma mostra dos trabalhos que serão apresentados na II Trienal, surgindo assim o 3PONTES_SP.

 

O 3PONTES tem como eixo curatorial três momentos diversos da interação entre a África e a Bahia, correspondentes a períodos históricos. A Primeira Ponte se relaciona com o começo desta relação, à era da escravidão e do tráfico negreiro, entre os séculos 16 e 19. A mostra, que foi responsável pela inauguração do novo espaço SOSO+, em frente à galeria SOSO, foi aberta junto com a exposição de Yonamine, no dia 02 de julho, data da Independência da Bahia (1823), apresentando o trabalho de sete artistas baianos que utilizam linguagens contemporâneas para expressar a forte influência da cultura africana. Mais de 1.100 pessoas visitaram esta mostra, que fica em cartaz até o dia 14 de agosto (sábado).

 

Agora, é a vez da Segunda Ponte, que corresponde à retomada das relações entre África e Bahia, do final dos anos 40 e início da década de 50, período de grande efervescência cultural em Salvador, até o ano de 1964, quando é interrompido bruscamente pelo golpe militar. Neste intervalo, chegaram da Europa artistas e intelectuais como o fotógrafo e etnólogo francês Pierre Verger- que morando em Salvador desde 1946, faz inúmeras viagens à África e se torna um dos principais estudiosos da cultura africana e de sua influência na Bahia - e o pensador português Agostinho da Silva, defensor da união dos países de língua portuguesa e criador, em 1959, do Centro de Estudos Afro Orientais (CEAO), na Universidade Federal da Bahia (UFBA), primeira instituição brasileira encarregada de manter laços com a África.

 

A convite do então reitor da UFBA, Edgar Santos, também fizeram parte deste importante momento, denominado pelo historiador Antonio Risério de "avant garde na Bahia", nomes da vanguarda européia de diversas áreas das artes, como os compositores nórdicos Koellreutter e Walter Smetak, a dançarina russa Yanka Rudzka e a arquiteta italiana Lina Bo Bardi, responsável pelo projeto de reforma do Solar do Unhão e primeira diretoria do Museu de Arte Moderna da Bahia.

 

Esta ebulição intelectual e cultural que toma conta de Salvador se baseia na noção de uma brasilidade ligada à mistura cultural. E foi Lina Bo Bardi uma das principais visionárias da originalidade dos brasileiros. Ela foi encontrar no interior, em artefatos populares, um design peculiar, próprio, que é extremamente identitário, e também revelador de uma estética autoral, inovadora. Foi Lina quem primeiro percebeu na cerâmica, no trabalho em madeira e nas peças produzidas no recôncavo baiano a partir da reciclagem de materiais o que existia de mais contemporâneo na produção artística da Bahia e do Brasil (não à toa, ela projetou a famosa escadaria do Museu de Arte Moderna da Bahia inspirada nos "carros de boi" que registrou em suas viagens).

 

Os artistas da Segunda Ponte trazem esta questão, da força de uma identidade extremamente baiana aliada a um cerne de contemporaneidade.  É assim com Marepe, por exemplo, que continua morando no interior, em Santo Antonio de Jesus, cidade do recôncavo baiano, mas produz obras que são expostas em grandes centros internacional de arte, como o George Pompidou, em Paris

 

Os artistas da Segunda Ponte mostram em seus trabalhos o reflexo deste processo, de construção da identidade baiana. Um movimento encontrou no interior, no recôncavo, na cerâmica e no design popular, a influência da cultura africana em relação com nossas outras raízes, indígena e européia.  "Numa metáfora possível, se na Primeira Ponte o exercício da busca da identidade baiana consistia em olhar para o mar, para o outro lado do Oceano, em busca da Mãe África, na Segunda Ponte voltamos o olhar para o interior do Brasil, também em busca desta identidade", afirma Daniel Rangel.  "A estética africana é muito forte e é justamente esta estética que foi mais estereotipado na relação entre cultura baiana com a africana. Os artistas da Segunda Ponte rompem com este estereótipo, ao fundir estas duas identidades, acrescentando a ela os elementos das outras culturas presentes na formação cultural de povo brasileiro", finaliza.

 

Por fim, a Terceira Ponte traz um olhar especial para as aproximações existentes entre a África e a Bahia na contemporaneidade. O trabalho de seus artistas, que realizam intervenções urbanas nas mais diferentes linguagens, será apresentado em São Paulo somente depois da experiência de residência em Luanda, na ocasião da II Trienal.

 

 

ARTISTAS DA SEGUNDA PONTE

 

Marepe (1970, Santo Antonio de Jesus - BA)

Com extenso currículo de exposições dentro e fora do Brasil,   é hoje um dos artistas mais importantes de sua geração e o baiano de maior reconhecimento internacional, tendo participado de diversas exposições e eventos de artes como a Bienal de Veneza e a Bienal de São Paulo. Também já expôs na Tate Modern de Londres e no Centro George Pompidou, em Paris. Sua obra tem como referência tradições populares e objetos do cotidiano da Bahia.

 

Caetano Dias (1959, Feira de Santana - BA)

Considerado pela crítica nacional como um dos mais importantes artistas surgidos nos últimos anos na Bahia, trabalha com diferentes suportes e técnicas, como vídeo, pintura, obras tridimensionais, instalação multimídia e fotografia digital. Sua obra transita entre o sagrado e o profano, o íntimo e o público, em um intrincado jogo de significações. Participou da Bienal de Buenos Aires e expôs em Nova York, Paris, Havana, além da Venezuela, Equador e Espanha. No Brasil, realizou exposições individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Santos e Curitiba, entre outras cidades, e ganhou prêmios como os do VII Salão da Bahia – Museu de Arte Moderna – Salvador/BA (2001).

 

Virginia de Medeiros (1973, Feira de Santana – BA)

Vive e trabalha entre Salvador e em São Paulo. Do começo de sua produção, em 1995, quando utilizava tintas, lonas, pincéis e chassis, passou recentemente a utilizar diferentes linguagens artísticas, predominando as vídeoinstalações. Em 2003, foi contemplada com a Bolsa Vitae, com a qual produziu obras que expôs no Rumos do Itaú Cultural (2005-2006) e na 27ª Bienal de São Paulo. Participou de exposições coletivas na Galeria Vermelho, São Paulo (2008), no Paço Imperial, Rio de Janeiro, no Instituto Dragão do Mar, Fortaleza (2006); em Recife e em Porto Alegre (2002); no Museu de Moderna Arte da Bahia, em Salvador (2001); entre outras. Em 2009, fez residência artística em Dili, Timor-Leste, e, em 2007, expôs em Québec, Canadá, o resultado da sua participação no programa de intercâmbio cultural entre o Instituto Sacatar, na Ilha de Itaparica, e o Centro de Artes La Chambre Blanche. É Bacharel em Artes Plástica e Mestre em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia.

 

 

Ieda Oliveira (1969, Santo Antônio de Jesus – BA)

Com uma poética voltada para coisas simples do cotidiano, desde 1994 vem participando de várias mostras nacionais e internacionais. Realizou exposições individuais em Berlim, Munique e Siegburg (Alemanha), além de ter participado da 26ª Bienal Internacional de São Paulo e da III Bienal do Mercosul.  Fez residências artísticas  na Taipei Artist Village (Taiwan),  na Kunstlehaus de Hamburgo (Alemanha), entre outras. É bacharel em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes da UFBA e Mestre em Artes Visuais pela mesma universidade.

 

Maxim Malhado (1967, Ibicaraí - BA)

Começou a expor em1995. Em seu trabalho, propõe que o olhar do visitante se volte para a poesia nua do dia a dia. Participou de diversas exposições coletivas, entre as quais destacam-se o Rumos Itaú Cultural (edição 2001 e 2003); Salão Nacional de Arte do Pará (2003); o Salão Nacional de Goiás (2001) e a 24ª Bienal Internacional de Arte de São Paulo (2004).

 

Adriana Araújo (1977, Salvador – BA)

Com um trabalho intimista e delicado, na utilização da cerâmica, explora as diferentes possibilidades artísticas deste material, realizando pinturas em porcelana, esculturas e instalações. É graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal da Bahia (2005) e em Licenciatura Plena em Educação Artística pela Universidade Católica do Salvador (2002). Atualmente faz especialização em Arte-Educação – Cultura Popular e Linguagens Artísticas Contemporâneas. Recentemente, participou de um programa de residência artística na Austrália, com o apoio do Ministério da Cultura e venceu o Prêmio Matilde Matos, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (2007). Participou de coletivas em Salvador, São Paulo e na Alemanha.

 

Sarah Hallelujah (1979, São Paulo - SP)

Morando e produzindo em Salvador, graduou-se na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2004. Trabalha com diversas técnicas, com destaque para a cerâmica e a fotografia. Desde 1999, vem realizando exposições individuais e coletivas, tendo sido premiada em 2008 , no Salão de Artes Visuais de Itabuna, promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. Atualmente é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFBA e desenvolve uma pesquisa em Processos Criativos, intitulada "Objetos à Deriva – uma poética da perda e da transformação".

 

Glauber Rocha (1939, Vitória da Conquista – BA | 1981, Rio de Janeiro - RJ)

Um dos mais importantes cineastas do Brasil, Glauber fundou um movimento reconhecido e respeitado em todo o mundo: o Cinema Novo. Produziu e pensou o cinema, escrevendo livros e fazendo filmes com uma proposta de arte engajada. Sua crítica social feroz se aliava a uma estética própria, inovadora, que pretendia cortar radicalmente com o estilo importado dos Estados Unidos  em busca de uma linguagem cinematográfica genuinamente brasileira, latino-americana.

 

 

FONTES

Mario de Almeida – proprietário da galeria SOSO arte contemporânea africana

Daniel Rangel – Curador do projeto 3Pontes e diretor de Museus do IPAC/Bahia

E os artistas através das assessorias.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

SOSO arte contemporânea africana – Rodrigo Linhares: 11 32223973

3PONTES  - Ana Paula Vargas: 71 3117 6445/ 71 9995 9593

 

 

SERVIÇO

O que: exposições Kiluanji Kia Henda e Segunda Ponte [com Adriana Araújo, Caetano Dias, Glauber Rocha, Ieda Oliveira, Maxim Malhado, Marepe, Sarah Aleluia, Virgínia de Medeiros]

Quando: abertura dia 19 de agosto 2010 [quinta], das 18 às 22h. Visitação até o dia 18 de setembro, de segunda a sexta, das 11 às 19h, e aos sábados das 11 às 17h.

Onde: galeria SOSO arte contemporânea africana (Av. São João, 313, 2º andar, Centro, SP) e espaço SOSO+ (Av. São João, 284, Centro, SP).

Entrada gratuita


---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Sofia Woolf <sofia@sosogaleria.com>
Data: 18 de agosto de 2010 12:13
Assunto: Release expo na Galeria SOSO/ Kiluanji e Segunda Ponte

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Exposição - O FIM É O COMEÇO - VERA WILDNER

----- Original Message -----
Sent: Monday, August 16, 2010 8:09 PM
Subject: Exposição - O FIM É O COMEÇO - VERA WILDNER


Em anexo convite da exposição:
 
O FIM É O COMEÇO
VERA WILDNER
 

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Exposição de Antonio Luiz Felkl no Espaço Cultural

Exposição Sintaxe da Figura 3 - ensaios visuais de Luiz Antonio Felkl
Espaço Cultural ESPM/RS

Abertura
Sábado, 14 de agosto, às 11h (entrada franca)

Local
Espaço Cultural da ESPM/RS (R. Guilherme Schell, 268 – Porto Alegre)

Visitação
de segunda a sexta, das 8h às 22h, e aos sábados, das 9h às15h
(Encerramento: 25 de setembro de 2010)

Informações e agendamento de visitas: espacocultural-rs@espm.br ou tel. 3218.1300


Conversa com artista
terça-feira,
25 de agosto, às 11h20min no local (entrada franca)
Participação de Niura Legramante Ribeiro, doutoranda do PPG-AVI-UFRGS.


A exposição individual Sintaxe da Figura 3 - ensaios visuais de Luiz Antonio Felkl, será inaugurada neste sábado, dia 14 de agosto, às 11h, no Espaço Cultural da ESPM (R. Guilherme Schell, 268 – Porto Alegre).

A exposição apresenta trabalhos em duas linguagens que têm como assunto a modelagem da figura humana. Em trabalhos tridimensionais, são produzidas figuras em terracota policromada, a partir de uma figura referencial que dá ordem ao trabalho, construindo a identidade enquanto grupo, pela pintura acrílica dos corpos. A outra série de trabalhos são impressões fotográficas, elaboradas através de modelagem digital com estrutura fragmentada da figura humana, originados a partir de imagens captadas da internet. Luiz Antonio Felkl cursou Arquitetura e é graduado em Artes Plásticas com ênfase em Desenho pelo Instituto de Artes da UFRGS.

 
 
 
No dia 25 de agosto, quarta-feira, às 11h20min, será realizada uma conversa com artista no local.
 
Coordenação do Espaço Cultural: Claudia Barbisan
 

claudiabarbisan.blogspot.com